sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Qatar-2022: uma escolha infeliz

A FIFA não poderia ter escolhido pior as sedes das Copas de 2018 e 2022.

Abaixo, apresento dez problemas graves da realização de um Mundial no Qatar:


1) Falta de transparência
- o investimento dos árabes na campanha não foi revelado.

2) Naturalizações - Fábio César Montezine, revelado no São Paulo, é um dos vários jogadores naturalizados da seleção do Qatar. Para não fazer feio em 2022, a federação local deve intensificar a procura por novos talentos. A tarefa não deve ser das mais difíceis, pois não são poucos os atletas que têm o sonho de disputar uma Copa do Mundo.

3) Legado - o Qatar tem 2 milhões de habitantes. Destes, 1,7 mi são estrangeiros. O legado, portanto, ficará para os executivos que trabalham no país.

4) Saúde dos atletas - Entre junho e julho, período em que a Copa é disputada, a temperatura no país chega a 50 graus celsius. A saúde dos atletas e dos turistas será colocada em risco, como a própria FIFA já alertou.

5) Treinamentos - Como os atletas treinarão durante a Copa? A tendência é que eles façam apenas um treino leve, à noite. Com poucos sessões de treinamento, os técnicos terão que quebrar a cabeça para dar entrosamento aos times e para deixá-los 100% fisicamente. Sendo assim, a qualidade do espetáculo ficará comprometida.

6) Mundial indoor - Ainda por causa do calor, essa Copa não deverá ter muita gente na rua. A confraternização entre os povos, tão pregada pela entidade máxima do futebol, deve acontecer apenas em hotéis e escritórios, todos climatizados.

7) Aglomeração - O Mundial será realizado em um raio de 60 quilômetros. Pode haver superlotação nos transportes e aglomeração humana nos estabelecimentos.

8) Seleções longe do Qatar - Se os estádios forem climatizados, não há necessidade de se adaptar ao calor e, consequentemente, dee se hospedar no Qatar. As seleções podem muito bem permanecer na Europa (na Turquia, por exemplo) e pegar um voo para Doha na véspera dos jogos.

9) Concentração máxima - Se forem obrigados a se hospedar no Qatar, a concentração será praticamente uma prisão de segurança máxima. Jogadores e comissão técnica não vão querer sair do quarto do hotel e enfrentar o calor. Os profissionais ficarão entediados e o trabalho da imprensa, prejudicado.

10) Acordos comerciais - O Qatar possui algumas leis rígidas, entre elas, a de consumo de cerveja em locais públicos. A Budweiser é uma das patrocinadoras da FIFA e terá prejuízo com a Copa no país.

5 comentários:

Speeder_76 disse...

Gostei, pois acho que está bem estruturado. Gostei tanto que decidi usar o teu post no meu blog para mostrar o meu cepticismo em relação ao Qatar-22. Não te importas? Abraço!

Artur disse...

Eu tinha alguns argumentos, mas vc foi bem além. Gostei muito.

LuizMay disse...

Acho que eles contam que até lá, o país estará todo climatizado. Dentro de uma bolha. Isso se o mundo não acabar em 2012!!!

Alvaro Prestes disse...

Eae cara blz! Então, eu sou do blog http://contratacoespelomundo.blogspot.com/, comecei ano passado, no verao, mas devido a faculdade durante o ano, nao realizei mais postagens, mas agora estou voltando, postando todos os dias noticias sobre contratações no brasil e no mundo, se poder divulgar ou soh entrar no blog as vezes, ja ta tri.
vlw ae
abraço

Gabriel Coiso disse...

todos motivos que vc listou a FIFA sabe, tudo isso vai fazer movimentar a economia, e vai encher muita gente de grana.
Inclusive gente da FIFA.
Sem contar que vai criar no Catar um publico de futebol que nao existe.
Abraços!