quinta-feira, 31 de julho de 2008

Olho Neles! - Francis Obikwelu, Nelson Évora e Naide Gomes (Portugal)

Em comemoração ao aniversário de 1 ano do BLOG DO MASSI, a seção OLHO NELES! volta com tudo e apresenta três nomes de uma só vez.

Todos eles estarão em Pequim, todos eles competirão no atletismo, todos eles são negros e... TODOS ELES SÂO PORTUGUESES.

Uma combinação meio estranha, não?

Afinal, Portugal nunca foi uma potência na modalidade e é um país predominantemente branco.

Mas nestes casos a história é um pouco diferente.

Na verdade, Francis Obikwelu, Nelson Évora e Naide Gomes são africanos e se naturalizaram portugueses.

Vamos apresentar cada um deles:

Francis Obirah Obikwelu nasceu na Nigéria, em 22 de novembro de 1978, e se naturalizou em 2001. É especialista nos 100 e 200 metros rasos.

Seu primeiro contato com Portugal se deu aos 16 anos durante o Mundial Júnior. Após a competição, o nigeriano decidiu se radicar no país.

Fez testes no Benfica e no Sporting, mas acabou reprovado. Depois disso, foi obrigado a interromper a carreira - ainda amadora - devido às dificuldades financeiras.

Foi trabalhar com construção civil em Algarve (sul de Portugal) e decidiu aprender português.

Seu professor, aliás, foi o responsável por fazer contato com a equipe de atletismo do Belenenses, onde retomou os treinamentos.

Mesmo com a vida na Europa, Obikwelu nunca esqueceu seu país de origem. Até aquele instante, ainda competia pela Nigéria.

Porém, após as Olimpíadas de Sydney, o corredor sofreu uma grave lesão e operou o joelho no Canadá. Pagou do próprio bolso a cirurgia e foi abandonado pelas entidades esportivas nigerianas.

Revoltado com a atitude, decidiu pedir cidadania portuguesa e, a partir de 2001, passou a defender as cores de Portugal.

Em 2004, o auge da carreira. Conquistou a medalha de prata nos Jogos de Atenas com o tempo de 9s86, recorde europeu até hoje.

Atualmente, é atleta do Sporting, treina em Madrid e, mesmo não atravessando grande fase, é um dos favoritos nos 100 metros rasos em Pequim.


Nelson Évora nasceu na Costa do Marfim, em 20 de abril de 1984. É um dos principais rivais de Jadel Gregório no salto triplo.

Foi para Portugal com apenas cinco anos, já que o pai, cabo-verdiano, conseguiu trabalho na região portuária de Lisboa.

Curiosamente, foi morar no mesmo prédio que o então campeão nacional de salto em altura, João Ganço, e ficou amigo de um de seus filhos, David.

A proximidade entre ambos o levou ao atletismo. Évora foi para a Escola da Ramada, em Odivelas, distrito lisboeta.

Com dez anos, ingressou no Odivelas Futebol Clube e já saltava 1,65m. Detalhe: ele tinha 1,40m.

Não demorou muito para ser visto pelos olheiros do Benfica. Dispondo de uma estrutura muito superior, melhorou ainda mais suas marcas.

Em 1999, uma lesão no joelho (sempre ele!) o deixou parado por algum tempo. Para piorar, desistiu do salto em altura por medo de nova contusão. Acabou priorizando o salto em distância e o triplo.

Ao completar 18 anos, resolve se naturalizar português. A alegação é que tem muito mais vínculo com Portugal do que com Costa do Marfim ou Cabo Verde.

E tem razão.

O sucesso precoce proporcionou a Évora convites de diversas universidades americanas. Recusou todas, alegando que não aguentaria ficar longe da família.

Após passagem pelo Porto, voltou ao Benfica em 2004.

Sua primeira experiência em Jogos Olímpicos foi prejudicada por outra contusão. Foi a Atenas ciente de que não estava 100% fisicamente. Acabou eliminado na primeira fase do salto triplo.

Em 2007, se consagrou no cenário mundial com o título mundial em Osaka.

Agora, o objetivo é um só: o ouro olímpico.


Enezenaide do Rosário da Vera Cruz Gomes, ou simplesmente Naide Gomes, nasceu em São Tomé e Príncipe, no dia 20 de novembro de 1979. Vive excelente fase e é uma das adversárias de Maurren Maggi nos Jogos de Pequim.

Começou sua carreira nos 110 metros com barreiras. Tanto é que participou da prova nas Olimpíadas de Sydney, ainda defendendo as cores de seu país de origem. Também se dedicava ao heptatlo.

Com tanta rodagem, Gomes pode ser considerada uma atleta completa. Isso traz benefícios para a disputa do salto em distância. Sua técnica é mais apurada que a das adversárias.

Em 2008, alcançou a melhora marca da temporada: 7,12m. Maurren, por sua vez, ainda não chegou aos 7m.

Naide Gomes viveu em São Tomé até os 11 anos. Depois, ela e a irmã foram para Portugal encontrar a mãe, que veio antes ao país para se curar de problemas de saúde.

Antes, na África, era apaixonada por futebol. Só foi descobrir o atletismo na pequena cidade de Paivas, onde foi morar.

Sua rápida evolução a levou ao Sporting. E a naturalização só ocorreu em 2001.

Como cidadã portuguesa, trocou o Enezenaide por Naide.

No Mundial de Osaka, em 2007, terminou na quarta colocação.

Porém, sua evolução durante a temporada a credencia como um dos principais nomes ao ouro.

3 comentários:

Thiago Raposo disse...

Olá Massi,
Gostaria de comunicar a mudança de endereço do 'Café com F1'!
Espero tua visita lá e peço também a gentileza de alterar o link do mesmo no seu blog.
Agora é: www.cafecomf1.com
Abraços!

Speeder_76 disse...

Bela matéria sobre os nossos atletas. Felizmente não são as nossas unicas esperanças para a medalha. Ainda há mais duas ou três atletas, como o Telma Monteiro e o João Neto (judo), a Vanessa Fernandes (triatlo) e o João Costa (tiro) entre outros.


Nâo acredito muito no Obikuwelu com uma medalha. Finalista sim, mas medalhado... com o Gay e o Bolt em ultra-forma, o máximo que pode aspirar é ao bronze, quer nos 100, quer nos 200. E tem um grande defeito: parte mal. Mas em compensação, é um dos melhores terminadores do mundo.


Já agora, só para te dizer: vamos levar 78 atletas para Pequim. E não te admires se levarmos 10 medalhas para casa...

Ricky_cord disse...

Massi tenho que discordar de ti. Portugal não é nenhuma potência em termos de atletismo, mas já tivemos vários atletas campeões olimpicos como Carlos Lopes, Rosa Mota e Fernanda Ribeiro... Abraço