segunda-feira, 28 de julho de 2008

Perfil Olímpico: Jorge/Renatão (Brasil) ou Geor/Gia (Geórgia)


Um chegou a final de uma etapa do circuito BB de vôlei de praia em 2002, ao lado do baiano Ricardo. O outro só foi sentir este gostinho em 2007.

Com este currículo, Jorge e Renatão vão para as Olimpíadas de Pequim.

Não competirão pelo Brasil, mas pela Geórgia. Estão na chave C e enfrentarão a dupla Ricardo/Emanuel. Aliás, têm boas chances de passar para a fase final do torneio olímpico, já que os outros adversários do grupo são uma dupla angolana e outra australiana. Vale lembrar que duas parcerias se classificam por chave.

São tão “discretos” na naturalização que alteraram seus nomes para Geor e Gia. Só ficaram conhecidos por lá após cantarem o hino da nação e mostrarem algum amor àquela bandeira.

Um exemplo que deveria envergonhar a todos. Mas não. Ao contrário, inspirou outros atletas a seguirem o mesmo caminho. Tanto é que Andrezza e Cris (ou Saka e Rtvelo) também carimbaram o passaporte para os Jogos.

A CBV, ao que tudo indica, não está nenhum pouco incomodada com o fato. Inclusive permite que os paraibanos continuem a disputar o circuito nacional.

No mínimo, estranha esta situação.

Já que se tornaram cidadãos georgianos, que vão disputar às competições européias.

Além da medalha olímpica, Geor e Gia podem embolsar 500 mil euros. Este é o valor oferecido pelo presidente do país, Mikhail Saakashvili, para quem conquistar um ouro em Pequim.

A forte concorrência no Brasil e as dificuldades financeiras foram as causas apontadas por Jorge para defender as cores da Geórgia.

Como perceberam, eu reprimo a idéia. O que acham?

Foto: CBV

8 comentários:

Munigalo disse...

Massi,
A concorrência no vôlei de praia é real e em outros esportes também. Esse negócio de nacionalizar e disputar os jogos olimpicos por outro país é normal. Como no caso do Jorge e Renatão. Agora se ele se nacionalizaram georgianos, então não deveriam disputar o circuito bb de vôlei de praia. Afinal é um circuito para duplas brasileiras. No futebol é comum ver jogadores se nacionalizando em outros países, como por exemplo o Marcos Senna que defende a Espanha. A CBV tem que mudar essa regra do circuito, e só permitir atletas nacionalizados brasileiros...
Abraço

Sobre o Futebol Carioca disse...

O volei de praia Brasileiro pra mim é o melhor q tem no mundo.
sao os melhores.

um abraço
Léokope

Speeder_76 disse...

Essa coisa nas naturalizações é natural num mundo globalizado. Mas o exemplo que tu colocas aqui... bom, no mínimo é um exagero. Aliás, acho até uma idiotice. Que ligação é que existe? Se fossem filhos de georgianos, ou que vivessem lá há anos, mas pelo que tu me explicas. não é assim...


Mais facilmente virariam portugueses. Ao menos tinham uma lingua comum...

JONAS RAFAEL disse...

vou torcer pelos meus conterraneos da Paraíba. Conheço Gorge moro perto de sua Vó em Serra Redonda-Pb.

PedroParahyba disse...

Dá-lhes conterrâneos...

Já estão na semi-final...

Quem sabe agora alguém não valoriza eles por aqui.

Abraços

J. N. Dias disse...

Olha, creio que eles bem que queriam representar o Brasil, mas como não puderam, emtraram na Olimpíada por outros meios.
Alguém falou mal do Zico quando ele se tornou técnico da seleção japonesa de futebol? Não, né? Eles entraram nessa pra entrar numa olimpíada, que é o sonho de todo atleta.
E se houvesse uma oportunidade para o Brasil entrar em uma modalidade esportiva onde não tivesse tradição nenhuma, e de repente houvesse um ou dois atletas fortíssimos nessa modalidade, mas que não puderam representar seu país... Vamos citar, por exemplo, o sepaktakraw. Vamos supor que o sepaktakraw se tornasse o próximo esporte olímpico em Londres, e o Brasil quisesse um ouro naquela modalidade, mas não tem tradição nenhuma. Aí o COI chama uns tailandeses (Tailândia é uma potência nesse esporte)pra representar o Brasil, naturalizando-os. Você acharia reprovável?

Anônimo disse...

Prezados;

com a crescente demanda de profissionais "encabeçando" a preferência por um nação, que não a nossa, torna algo como diferente, mas o que tudo indica, Jorge e Renatão aproveitaram a oportunidade de representar não somente uma bandeira, mas o amor à sua profissão e aviltar com brilhantismo a escrita de seus nomes com a participação em um dos JOGOS OLÍMPICOS, no caso Pequim,... boa sorte Geor e Gia (esses nomes são perfeitamente brasileiros!!rsrs)Abç, Ricardo

Anônimo disse...

Faço das palavas de J.N. a minhas também.Com certeza Renato e Jorge adorariam representar o Brasil, mas a oportunidade e o apoio veio pela Geórgia.
E esse ano eles estão tentando conquistar mais uma vaga, para mais uma Olímpiada.
E estarei torcendo por eles mais uma vez, pois acima de tudo eles são brasileiros e paraibanos com muito orgulho, representam bem as duas nações.

Isabelle